sábado, 16 de janeiro de 2010

Patch Adams - O amor é contagioso




Em dezembro tomei emprestado o livro "Patch Adams" da biblioteca da empresa onde trabalho.

No livro Patch Adams faz algumas recomendações inspiradas no humor com objetivo de conseguir um sorriso, uma ligação espiritual, ou promover um ato de prazer para o paciente.

Particularmente, gostei do livro, apesar que as dicas prescritas no livro foram direcionadas para pessoas que trabalham em hospitais, como os médicos, enfermeiras, mas não enxerguei por esse lado, por isso, fiz questão de colocar esse trecho abaixo extraído do livro, que podemos aplicar essa teoria em nossas vidas, seja no trabalho, família, amigos.

"Neste livro falei sobretudo de pacientes e hospitais, mas acho fundamental insistir para que façamos o mesmo com todas as pessoas que encontrarmos. Todos nós precisamos de cura e somos todos carentes de atenção, afeto e solidariedade. Cada um pode contribuir na criação de uma sociedade mais saudável e feliz. Está provado que a ajuda que damos aos outros beneficia nossa própria saúde física, mental e espiritual. E não é preciso abrir mão de nada para ajudar os outros".
"Só uma vida vivida em função dos outros vale a pena". - Albert Einsten
Sobre Patch Adams:

Patch Adams, médico, é o fundador/diretor do Gesundheit Institute, um projeto com 27 anos de idade para criar um hospital que trate de todos os problemas dos tratamentos de saúde.

Nunca cobraram dinheiro, nem aceitaram reembolso ou sofreram processos por má conduta médica. É o primeiro hospital a integrar completamente todas as artes de cura e a se concentrar no bem-estar e nas artes. É um lar para os pacientes e para a equipe. É o primeiro hospital "bobo" da história, estando em construção, neste momento, uma ideia ecológica.

Patch trabalha como palhaço há mais de 30 anos, atuando por todo o mundo e levando um grupo de palhaços todos os anos (durante onze anos) para a Rússia.

No fundo, Patch é um ativista político, desejando um mundo que substitua a ganância e o poder pela generosidade e compaixão. Ele é amante da poesia, da dança, da natureza, das pessoas e do serviço. Seus dois tesouros preciosos são seus filhos, Zag e Lars.

Patch foi criticado oficialmente pela escola de Medicina por sua "alegria excessiva" e recebeu o seguinte conselho de um professor "Se quiser ser palhaço, vá para o circo". Na verdade, Patch queria ser palhaço. Mas também ser médico. Ele conseguiu unir esses dois lados tão diferentes de sua personalidade e acabou sendo as duas coisas.
Já faz um tempo que assisti ao filme, e confesso que gostei, achei fantástica a ideia desse médico, mas que não se aplica na prática, porque hoje o que se visa é o rendimento monetário, e pesquisando na internet encontrei essa frase de Patch "O paciente é tratado como cliente de loja. Se o médico gastar tempo com amor, não tem retorno financeiro. Só ganha dinheiro se dá remédio ou faz alguma intervenção cirúrgica".
Para finalizar a resenha Patch Adams adverte:

Que você ajude a manter a saúde através da alegria, do riso e da gentileza. Patch também sugere que, às vezes o tratamento mais eficaz é a esperança, o amor, o relaxamento e a simples alegria de viver".


Bj e um lindo final de semana!!



Janeiro 16 de 2010.

10 comentários:

Mariane disse...

Oiii Mi...

Nossa amiga, como é gostoso ler esse seu post... eu já vi o filme do Patch Adams e amei, agora mais do que nunca vou ler o livro. Já faz tempo que queria ler, depois da primeira citação que você fez do livro me empolguei ainda mais. Gostei do que você falou sobre ver o outro lado, nós não trabalhamos em hospitais mas podemos aprender e levar a alegria que o Patch nos ensina... O final do post foi espetacular, hahahaha...

Um excelente final de semana amiga...bjaooo!!!

Fernanda disse...

Gostei... parece ser interessante! Nunca vi o filme, nem sabia que tinha livro... ;)

Bjs

Les Curieux disse...

Oi Michele!

O filme é absolutamente lindo e triste.
O livro nao sabia que existia, interessante mas acho que este nao lerei.
Boa dica!
Beijos e bom final de semana.

Pati Araújo disse...

Oi Mi!

Resenha inspirada, hein amiga? rsrs
Adorei! Quando encontrar o livro com certeza lerei, o filme já assisti, é lindo e tocante demais.
Mi, que a sua semana seja linda e abençoada por Deus.

Beijos :]

Cíntia Mara disse...

Esse filme é lindo :)

Bjos

Lia disse...

Gosto muito do filme, quero ler o livro tb. No Brasil, Os Doutores da Alegria fazem um trabalho inspirado em Patch Adams, já assisti várias palestras com eles, são muito bons..

Mariane disse...

Amiga, gostou da imagem??? Hehehe... ficou super fofooo... Aqui, voltou a trabalhar?? Acabou a vida boa hein amigaaa...hehehe... bom retorno e depois vamos bater um papo sobre as palestras que vc falou...

BJAO...

Cecilia Nery disse...

É um trabalho muito bonito o que ele faz. É mais ou menos como os Doutores da Alegria. Bjs.

suelen disse...

O filme é mto lindo agora quero ler o livro...obrigado pela dica...adoro ler um muito bom é o livro A ordem é Amém de John Chelh um livro incrivel daqueles que vc não consegue para de le eu o achei no site: www.seteseveneditora.com.br
Espero que gostem!!!

Deputamadre disse...

Olá Michele!

Estava procurando resenhas sobre o livro do Patch Adams, eis que me deparei com seu blog. Muito bem escrito e de muito bom gosto! Já estou te seguindo, e indicando o mesmo no meu. Adorei a resenha que você fez para o livro, só despertou ainda mais minha vontade de lê-lo.

Bjos e até!